Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/09/21 às 15h26 - Atualizado em 14/09/21 às 15h26

Contratada avança na construção dos pilares dos viadutos da ESPM

COMPARTILHAR

Com entrega prevista para março de 2022, os viadutos da Estrada Setor Policial Militar (ESPM) começam a ganhar forma com o avanço da fundação e da escavação. Já são mais de 25% dos serviços concluídos. Atualmente, as obras se concentram na armação das estacas e baldrames, na conclusão do estaqueamento e na escavação dos blocos. A escavação e rebaixamento do terreno estão concluídos. A obra gera 122 empregos diretos e 400 indiretos.

 

“A construção simultânea dos viadutos é uma atividade complexa, mas tudo está de acordo com o cronograma estabelecido. Estamos trabalhando arduamente para entregar os viadutos dentro do prazo estabelecido. Mais uma obra visando a melhora da mobilidade na região”, declarou Luciano Carvalho, secretário de obras do GDF.

 

A ESPM será revitalizada para compor o chamado Corredor Eixo Oeste. A obra, dividida em duas partes por questões de logística e segurança, teve início pelo trecho localizado entre o Quartel do Comando Geral da Polícia Militar até o Terminal da Asa Sul (TAS), onde estão sendo construídos dois viadutos.

 

Um dos viadutos será construído na alça de acesso da ESPM ao Eixo W, conhecido como “eixinho de cima”. Ele terá 8 metros de altura, 33 metros de comprimento e 19 metros de largura. O outro, situado na alça de acesso ao ERL, sentido L4, terá 29 metros de comprimento, 15 metros de largura e altura aproximada de 8 metros.

 

“A novidade é que o pavimento para circulação dos ônibus será todo em pavimento rígido (concreto), com maior durabilidade. Além disso, os novos viadutos irão desafogar o trânsito na região, minimizando os engarrafamentos e os transtornos enfrentados diariamente pelos motoristas que trafegam por ali, especialmente nos horários de pico”, explica o engenheiro Ricardo Terenzi, subsecretário de acompanhamento e fiscalização de obras.

 

CORREDOR EIXO OESTE

 

Com 38,7 quilômetros de extensão, o corredor prevê o alargamento de pistas e a construção de faixas exclusivas nas principais vias de ligação do Sol Nascente com o Plano Piloto, como a Hélio Prates, a EPIG e a ESPM, que leva ao Terminal da Asa Sul. O objetivo é reduzir em meia hora o tempo de deslocamento até o Plano Piloto.

 

As obras serão feitas por trechos, uma vez que seria inviável fazer as intervenções de uma vez no trânsito. Além da revitalização da Avenida Hélio Prates, o corredor contempla diversas outras obras, tais como a construção de viadutos e do túnel de Taguatinga.