Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
17/06/16 às 3h00 - Atualizado em 13/10/22 às 15h38

Obras de infraestrutura passam por vistoria do governo

Serviços de drenagem e pavimentação avançam nas regiões de Ceilândia, Vicente Pires e Vila Buritizinho, em Sobradinho II. Governador de Brasília percorreu as ruas dessas regiões, nesta sexta-feira (17), para ver o andamento

Na manhã desta sexta-feira (17), acompanhado de técnicos e representantes de diversos órgãos do governo de Brasília, Rodrigo Rollemberg percorreu algumas ruas do Sol Nascente, em Ceilândia.

O governador pôde acompanhar o andamento dos serviços de drenagem e pavimentação nas quadras 100, 300, 400, 101, 105 e na Avenida das Palmeiras.

 

      1706

 O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg percorreu algumas ruas do Sol Nascente, em Ceilândia. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília

 “O trabalho tem avançado, mas é fundamental que a gente aproveite esse período sem chuvas para avançar ainda mais e seguir dentro do cronograma de cada benfeitoria”, avalia o governador.

Vistoria em Vicente Pires

Após passar pelo Sol Nascente, onde estão sendo aplicados aproximadamente R$ 188 milhões nos três trechos da obra, a comitiva seguiu para Vicente Pires.

Na região, ocorre a execução da drenagem pluvial, da pavimentação asfáltica e da construção de três viadutos – um sob a Via Estrutural (no sentido Plano Piloto-Taguatinga), outro no sentido oposto e o terceiro sob a via marginal. O projeto terá investimento de R$ 467 milhões.

Entre os gestores que acompanharam o governador estava o diretor-presidente interino da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), Júlio Menegotto; e o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antonio Raimundo Santos Ribeiro Coimbra, além dos responsáveis pelas empresas executoras das atividades. “A vinda desses órgãos ajuda a identificar as dificuldades que porventura estejam impedindo o bom andamento das obras”, disse Rollemberg.

Visita a Vila Buritizinho, em Sobradinho II

Em visita ao Setor Habitacional Buritizinho, em Sobradinho II, o governador Rodrigo Rollemberg acompanhou o andamento das obras da rede de água e esgoto. O chefe do Executivo percorreu as ruas e questionou os atrasos em alguns trechos. “Aqui são vários lotes. Alguns estão andando muito rápido, outros nem tanto. Mas nós vamos tomar providência para resolver isso”, afirmou Rollemberg. No caso dos lotes 4 e 7, por exemplo, a tubulação não foi colocada por demora no empenho dos recursos. A Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sinesp) garantiu a liberação da verba para segunda-feira (20).

Outro impasse é a autorização para retirada de vegetação nativa para construção de uma bacia de contenção das águas pluviais, no lote 1. Como o terreno do setor é acidentado, a água da chuva escorre com muita força para o Córrego Canela de Ema, nas imediações do Buritizinho. Para a construção das bacias, a secretaria precisa acertar os termos da permissão com o Instituto Brasília Ambiental (Ibram). Uma reunião, na segunda-feira (20), vai abordar a questão.

“Apesar das dificuldades, as empresas já começaram a fazer a topografia e as notas de serviço. O resultado do levantamento topográfico vai definir a cota e a profundidade dos tubos a serem colocados”, explica o secretário Antônio Raimundo Santos Coimbra. A urbanização da área está orçada em R$ 26,4 milhões, recurso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Pavimentação e Qualificação de Vias. A previsão é de que, até dezembro, as obras sejam concluídas.

Acompanharam a vistoria o vice-governador Renato Santana; os administradores regionais de Ceilândia, Vilson José de Oliveira; de SobradinhoII/Fercal, Estevão Reis; o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Habitacional do Distrito Federal (Codhab), Gilson Paranhos; e os deputados distritais Luzia de Paula (PSB) e Roosevelt Vilela (PSB).

Serviços de drenagem e pavimentação avançam nas regiões de Ceilândia, Vicente Pires e Vila Buritizinho, em Sobradinho II. Foto: Tony Winston/Agência Brasília.

Veja o balanço geral das obras

No Sol Nascente estão sendo realizadas obras de urbanização que incluem serviços de drenagem e pavimentação. Elas beneficiarão aproximadamente 100 mil moradores (população estimada nesse local). Até agora, foram pavimentadas 12 ruas (algumas asfaltadas e outras receberam blocos intertravados). Essas ruas estão nas Bacias 6 e 7, localizadas nas Quadras 400, Conjuntos J e O.

Em Vicente Pires, as obras de urbanização incluem drenagem pluvial e pavimentação asfáltica. No lote 6 da Gleba 3, a empresa responsável pelos serviços de drenagem e pavimentação vai trabalhar em 10 ruas. Desse total, cinco estão em andamento; em outras quatro serão aproveitadas benfeitorias realizadas anteriormente. No lote 7, da Gleba 3, foram executados 2,5 quilômetros de rede de águas pluviais e 2 quilômetros de pavimentação asfáltica.

Em dezembro de 2015, também foram iniciadas as obras de pavimentação asfáltica, construção de meios-fios e drenagem pluvial na Gleba 1 (lotes 1, 2 e 3), situada nas imediações da EPTG e Pistão Norte. Além disso, está prevista a execução de pontes que ligarão a Gleba I à Gleba II.

No lote 1, da Gleba 1, foram realizados 1,2 quilômetros de águas pluviais. Em relação à pavimentação asfáltica dessa área, estão sendo feitas alterações de projeto em função das peculiaridades de cada rua, que não seguem um padrão homogêneo.

No lote 3, da Gleba 1, foram executados 1,5 quilômetros de rede de drenagem pluvial. Na próxima semana, serão iniciados os trabalhos na Chácara 42 de Vicente Pires, onde será construída uma bacia de detenção que irá receber todo o sistema de drenagem pluvial da Avenida Governador.

Na Vila Buritizinho, os cerca de seis mil moradores da região serão beneficiados com diversas melhorias, que incluem pavimentação asfáltica e em blocos intertravados, calçadas, meios-fios, além de drenagem pluvial. Ao todo, serão investidos R$26,4 milhões na construção de dois conjuntos de lagoas de drenagem, 8 quilômetros de redes para captação de águas das chuvas, 51,5 quilômetros de calçadas, 22 quilômetros de meios-fios e 11 quilômetros na pavimentação asfáltica de ruas.

As benfeitorias serão realizadas em uma área de 90 hectares, espaço equivalente a uns 28 campos de futebol. As obras foram divididas em sete lotes. Os trabalhos de limpeza e levantamento topográfico foram concluídos nos lotes 1, 2 e 5. Além disso, a construção das redes de drenagem já foi iniciada nesses mesmos lotes.

EDIÇÃO: GISELA SEKEFF